São Roque, o Santo Peregrino

By | agosto 3, 2016

Montpellier, França, ano de 1295, nascia Roque, filho de um nobre Fidalgo, João Roch e sua esposa Libéria, uma mulher de muita fé, que já via Roque como um sinal do amor de Deus. Sua família, com funções governativas na cidade, era uma das mais importantes de Montpellier, fato que fazia Roque ser herdeiro de considerável fortuna. Diz a lenda, que Roque nasceu com um sinal em forma de uma cruz, o que o predestinaria a sua santidade.

Desde pequeno São Roque teve uma educação primorosa, estudando nos melhores colégios e alimentando os mais vivos sentimentos de fé, vida e oração. Cursando inclusive a célebre Faculdade de Medicina. E este estudo, apesar de não ter sido finalizado, lhe foi muito útil para seu futuro ao lado de doentes e empestados, em favor dos quais operou incontáveis milagres.

Não se sabe ao certo a data exata, mas é fato que São Roque tornou-se órfão ainda muito jovem, sendo cuidado então, por seu tio. Quando completou 20 anos, vendo-se sozinho, dono de uma fortuna invejável e tendo que assumir a direção do palácio familiar e a administração de vastas terras; Roque que sempre levou uma vida ascética e sempre tendo praticado a caridade para com os menos afortunados, resolveu distribuir boa parte de seus bens aos pobres e o restante confiada ao tio.

Em seguida, partiu ocultamente de sua cidade em peregrinação a Roma. No decorrer da viagem, São Roque deparou-se com e epidemia da Peste Negra, e prontamente se ofereceu para ajudar os enfermos, operando então, seus primeiros milagres, usando apenas um bisturi e o sinal da cruz.

Depois de um tempo em Roma, onde rezava diariamente sobre o túmulo de São Pedro e continuava a curar os empestados, Roque resolveu retornar à sua cidade natal. No entanto, no meio do caminho, ele mesmo foi contaminado com a peste.

São Roque

Imagem de São Roque

São Roque aceitou a doença como uma Graça Divina, porém, em pouco tempo, viu-se abandonado e desprezado por todos. Isso, o impediu de continuar sua peregrinação e, para não contaminar mais ninguém e não se tornar um peso, decidiu em seu coração isolar-se na floresta de Piacenza. Com muito custo arrastou-se até um bosque e lá acomodou-se em uma cabana abandonada

Graças a sua fé e confiança em Deus, São Roque experimentou todo a sua Divina Providência e Amor de Nosso Senhor, que diariamente lhe enviava um cão para alimenta-lo e fez nascer perto de sua cabana uma fonte de água para matar sua sede.

Certa manhã, o dono do cão, um fidalgo de nome Gottardo, seguiu seu animal e assim, foi descoberto o paradeiro de Roque. Gottardo, compadecido do sofrimento daquele peregrino, passou um tempo com ele até que milagrosamente Roque curou-se da peste e, sentindo-se reestabelecido, decidiu retomar o caminho para Montpellier. E realizou ainda mais um milagre, convertendo Gottardo a levar uma vida boa, totalmente diferente daquela que ele levava.

Naquele tempo, a França estava em guerra e por isso, ao chegar em sua cidade, foi tomado como espião e levado para um reconhecimento perante o governador, que era ninguém menos que seu próprio tio, como há muito tempo não via Roque, acabou por não o reconhecer e mandou-o para a prisão, onde abandonado e esquecido, morreu após 5 anos.Mundo dos Católicos

Ali, morto, realizou seu primeiro milagre póstumo, curando a perna do seu carcereiro, que se chamaria Justino e coxeava. Ao tocar com a perna no corpo de Roque, para verificar se estaria realmente morto, a perna ficou milagrosamente curada.

Após isso, ao preparar o corpo para o sepultamento, descobriu-se o sinal em seu peito, sendo então reconhecido na hora. E graças isso, foi sepultado com todas as honras e reconhecido com nobre filho de Montpelier.

A primeira decisão oficial da Igreja sobre o culto a São Roque aconteceu em 1414, quando no decurso do Concílio de Constança se declarou uma epidemia de peste. Levados pela fé popular em São Roque, os padres conciliares ordenaram preces e procissões em sua honra, tendo de imediato o contágio cessado. Não se conhece a data da canonização, a qual terá sido por devoção popular e não por decisão eclesiástica, como aliás era comum na época. Assim, o papa Urbano VIII aprovou os ofícios eclesiásticos para serem recitados a 16 de agosto, dia da sua festa.

São Roque, protetor contra a peste e padroeiro de diversas profissões ligadas à medicina, principalmente dos cirurgiões; é também protetor dos inválidos e dos cães.

 >>> Conheça nossa Loja Virtual e aproveite nossas ofertas:  “Mundo dos Católicos” <<<

Abaixo, eu deixo a vocês, a belíssima e poderosa oração a São Roque, que lhes peço, rezem com muita fé e com coração.

Oração a São Roque

São Roque, que vos dedicastes com todo o amor aos doentes contagiados pela peste, embora também a tenhais contraído, dai-nos paciência no sofrimento e na dor. São Roque, protegei não só a mim, mas também aos meus irmãos e irmãs, livrando-nos das doenças infecciosas. Enquanto eu estiver em condições de me dedicar aos meus irmãos, proponho-me ajuda-los em suas reais necessidades, aliviando um pouco o seu sofrimento. São Roque, abençoai os médicos, fortalecei os enfermeiros e atendentes dos hospitais e defendei a todos das doenças e dos perigos. Amém.

Abaixo, um belo vídeo com as queimas de fogos da cidade de São Roque, no interior de São Paulo, em comemoração ao aniversário do Santo e também da cidade, no dia 16 de agosto!


Quer receber CONTEÚDOS EXCLUSIVOS de nosso site e ainda ganhar um E-BOOK GRÁTIS com algumas das principais orações católicas?

CLIQUE AQUI, se inscreva em nossa lista de membro VIP e não perca nenhuma novidade sobre nosso site!